sinergia aromaterapêutica?

Atualizado: Jun 15

Sinergias aromaterapêuticas são combinações harmoniosas entre óleos vegetais carreadores e óleos essenciais visando o bem-estar físico, emocional e mental. Muitas pessoas ainda confundem óleos vegetais com óleos essenciais, sendo que os primeiros são obtidos da extrusão ou prensagem à frio de grãos gordurosos, por isso não são voláteis como os óleos essenciais , que possuem centenas de moléculas voláteis aromáticas! Óleos vegetais carreadores ao contrário, apresentam uma composição química de ácidos graxos de elevado peso molecular decorrente de longas cadeias de carbono. Dentre os mais utilizados e queridinhos para formulação de sinergias estão: jojoba, semente de uva, amêndoas, gergelim, macadâmia, germe de trigo, oliva, rosa mosqueta, mamona (rícino), abacate, etc....


Os óleos essenciais são produzidos pelas plantas por diversos motivos, como por exemplo: autodefesa, atração, proteção contra perda de água e de temperatura foliar, etc.... e podem ser encontrados também em diversas partes de uma mesma planta, como flores, frutos, cascas, raízes, folhas....


Em como tudo na natureza é muito perfeito, além de exercerem funções primordiais nas plantas, os óleos essenciais também nos presenteiam como uma infinidade de propriedades aromaterapêuticas que nos auxiliam tanto em problemas mentais, emocionais e até espirituais! E uni-los em SINERGIAS, nada mais é que trabalhá-los em conjunto em busca de um melhor potencial e eficacia para diversas questões que possam nos afligir no dia a dia! Além disso pode ser uma tarefa que além de nos despertar para o infinito potencial das plantas medicinais, estimula também o nosso potencial criativo, que se encantará ao descobrir novos aromas na harmonia dessa alquimia de unir óleos e potencializa-los.


E porque começamos o post falando sobre óleos vegetais? Pois os óleos essenciais precisam ser utilizados diluídos, e como estamos falando de natureza, é essencial que tudo tenha uma fonte segura, limpa e 100% natural e pura! E óleos vegetais são os mais utilizados quando falamos de diluição com o intuito de utilizar a sinergia direto em nossa pele... nada te impede de utilizar uma base cosmética, como um creme por exemplo. Já para uso em ambiente, também não abrimos mão de difusores e até a diluição de sinergias em álcool (o álcool direto na pele pode resseca-la) para uso apenas em ambientes e como home spray por exemplo...


Na aromaterapia é imprescindível conhecer os óleos individualmente, tanto como fragrância, como propriedades e usos, assim como para realizar sinergias, esse conhecimento sobre cada óleo utilizado é primordial, para que se tenha uma mistura equilibrada, agradável e eficaz.


Uma mistura fraca de óleos geralmente apresenta melhor odor, e evita riscos de intoxicação. A concentração base recomendada é de 1% a 2,5%, diluições de 3% ou mais são utilizadas em terapias localizadas, em que se trata apenas uma pequena parte do corpo. As diluições de 0,5% à 1% são indicadas para crianças, mulheres grávidas e pessoas com a pele sensível.

Vale lembrar que, na aromaterapia, quantidade não significa qualidade, e uma concentração muito forte pode causar reações indesejadas.


Para uma massagem de corpo inteiro, 20 ml aproximadamente são suficientes, para o rosto, bastam 10 ml. O volume de uma gota é 0,05 ml, portanto, para preparar 20 ml da diluição do óleo essencial a 1% no óleo carreador são necessárias 5 gotas. Se a diluição for a 2,5% (para 20 ml) são necessárias 10 gotas.


Antes de usar sua sinergia no corpo todo, faça um teste de alergia. Coloque uma gota da sinergia sobre a parte interna do pulso e cubra com um esparadrapo por 12 horas. Após o período, retire a fita e verifique o estado do local. Se a pele estiver irritada, avermelhada, coçando ou com alguma outra irregularidade, não use a sinergia.


A escolha dos óleos essenciais de uma sinergia deve atender aos princípios de complementaridade, isto é, as indicações nunca devem ser opostas. Não faz sentido misturar um óleo estimulante com um calmante, é importante verificar todas as propriedades dos óleos que irá misturar para se certificar de que eles se complementam para o tratamento individual. No caso de uma mistura para alívio da dor, pode-se misturar três óleos analgésicos ou escolher dois óleos analgésicos e um relaxante. Nesse caso, além de tratar a dor, trata-se a condição de estresse que o sintoma pode estar causando.

Após a seleção dos óleos essenciais que são compatíveis com suas necessidade, é fundamental verificar se os aromas combinam bem. Alguns óleos essenciais têm o cheiro muito marcante, por isso devem ser utilizados sozinhos ou em baixas concentrações. O óleo de rosa e o de hortelã pimenta são exemplos de aromas que ofuscam os outros quando utilizados em sinergias. Alguns óleos são conflitantes quando combinados, como o óleo de rosa com o de limão, que acabam produzindo um aroma desagradável.


Quantos óleos essenciais podem ser usados em uma única combinação?


Alguns aromaterapeutas, como Marquerite Maury, recomendam o uso máximo de cinco óleos essenciais em uma sinergia, enquanto outros, como Shirley Price, aconselham quatro. Contudo, para iniciantes na aromaterapia, o aconselhado é não misturar mais do que três óleos ao mesmo tempo. Dessa forma são mantidas as concentrações mínimas e a mistura fica mais segura. Para quem está iniciando em aromaterapia, o aconselhado é não misturar mais do que três ou quatro óleos ao mesmo tempo. Em suma, não complique demais as combinações, não utilize óleos que possuam efeitos opostos, e tenha em mente o aroma final, buscando equilíbrio e harmonização.


FONTES:

WOLFFENBUTTEL, A. N. Base Química dos Óleos Essenciais e Aromaterapia

https://www.ecycle.com.br/

63 visualizações

institucional

ajuda

redes sociais

  • Facebook
  • Pinterest
  • Instagram

newsletter

© Some rights reserved • 2019 | Casa Pistilo